quinta-feira, 30 de abril de 2015

Papo sério: O sexo na lei de Moisés

Se tem uma coisa que não resta dúvidas, a que a lei de Moisés foi abolida com a boa nova, com exceção dos Dez Mandamentos obviamente; o exemplo e o ensinamentos de Cristo, desde o clássico curar doentes no sábado, via de regra não levavam em consideração o conjunto de 613 leis moisaicas, pelo contrário o caminho da felicidade reside unicamente e apenas em dois aspectos chaves - mas tão difíceis de se cumprir (1) amar a Deus sobre todas as coisas e (2) amar ao próximo como a ti mesmo. 

O fato é que boa parte da humanidade (afinal nem todos são cristãos) continua seguindo a lei de Moisés literalmente e à risca.

Recebi alguns e-mails preocupadíssimos com a ideia de pecado, e principalmente chocados com as informações de que o Rei David tenha sim fortes indícios g0ys e também de ter tido um Bromance. Isso não seria uma contradição? E a lei de Moisés?

Independentemente de preceitos religiosos, como não se cansa de repetir no meio g-zero-y, amizade íntima é amizade, sexo é sexo e não se pratica sexo com amigos, senão deixa automaticamente de ser amigo e passa a ser outra coisa, parceiro, namorado, etc, o nome não importa. O que importa é que o conceito g0y é de uma intimidade mais forte entre dois ou mais homens, mas SEM SEXO anal.

Voltando-se à dúvida, se o Bromance estaria contra a lei de Moisés, o Rei David estaria ele mesmo indo contra a Lei máxima da época para o povo judeu? Obviamente que não! 

Então, vamos à fonte!
Vamos também sair do próprio umbigo e não retratar apenas a homossexualidade/afetividade, mas o sexo como um todo. 

Da lei de número 330  até a lei de número 360, todas referem-se à proibições de manifestações da sexualidade. Note que quase todas são proibições morais de expressões da heterossexualidade:

NÃO SE DEVE

330.             Ter relações com a mãe
331.             Ter relações com a esposa do pai
332.             Ter relações com a irmã
333.             Ter relações com a filha da esposa do pai se ela é sua irmã
334.             Ter relações com a filha de um filho
335.             Ter relações com a filha de sua filha
336.             Ter relações com a filha
337.             Ter relações com uma mulher e sua filha
338.             Ter relações com uma mulher e a filha de seu filho
339.             Ter relações com uma mulher e a filha de sua filha
340.             Ter relações com a irmã de seu pai
341.             Ter relações com a irmã de sua mãe
342.             Ter relações com a esposa de um tio
343.             Ter relações com a esposa de um filho
344.             Ter relações com a esposa de um irmão
345.             Ter relações com uma mulher junto com a sua irmã
346.             Ter relações com uma mulher menstruada
347.             Ter relações com a mulher de outro homem sem consentimento
348.             Homem ter relações com um animal
349.             Mulher ter relações com um animal
350.             Um homem relacionar-se carnalmente com outro macho
351.             Um homem ter relações com o seu pai
352.             Um homem relacionar-se intimamente com o irmão de seu pai
353.             Ter intimidades com uma parenta
354.             Um casamento misto (um MANZER ter uma relação com um judeu)
355.             Ter relações duradouras sem casar-se
356.             Casar-se novamente com uma mulher divorciada depois de ela ter se casado de novo
357.             Ter relações com uma mulher sujeita ao casamento levirato
358.             Divorciar-se de uma mulher que tenha estuprado e tenha sido compelido a casar-se
359.             Divorciar-se de uma mulher após tê-la acusado falsamente a infamado
360.             Um homem incapaz de procriar casar-se com um judia.

Do conjunto de 31 discrições morais e éticas - apenas 2 referem-se a expressão da homoafetividade. (leis 351 e 352) e uma da expressão da homossexualidade (Lei 350 = Levítico 18:22). Sendo que lendo-se nessa perspectiva fica evidente que no caso da heterossexualidade, o termo ter relações já é capaz de explicar-se por si só. Por exemplo, a lei 330 é expressa pelo veto à "Ter relações com a mãe" e não é necessário estar expresso ter relações "carnais" - isso está claramente subentendido na relação Homem X Mulher. Já na relação Homem X Homem, isso por si só não se completa, é necessário separar, detalhar e deixar que a proibição judaica diz respeito somente à relação carnal (ou seja o sexo, ou ainda para ser mais claro, o coito anal).

Lendo-se a lei fora de contexto, os ortodoxos atuais levam a crer que todo e qualquer tipo de contato íntimo entre homens seria uma abominação, uma contravenção aos olhos de Deus. E muito embora, nós aqui no Brasil sejamos de maioria Cristã e não sigamos a lei moisaica expressa na Torá, muitas igrejas ainda tem esses preceitos de uma visão da ortodoxia hétero normativa, arraigada nos seus preceitos judaicos-cristãos, que seriam mais judaicos do que cristãos.

Mas como se vê indo-se a fonte, não há nada disso na lei de Moisés, é apenas uma visão, uma visão parcial diga-se de passagem, pois ao ler-se que é expressamente proibido: "350. Um homem relacionar-se carnalmente com outro macho", nota-se que lendo-se esse ato discricionário Mitzvot, de forma integrada, fica claro o pensamento judaico para a prática do homossexualismo.

E, fica registrado também na Ló Tassê (norma proibitiva) de nº 351 que qualquer 'gracinha' com o pai é vetado e na 352 ainda deixa ainda mais em evidência que os tios não devem abusar dos seus sobrinhos - possivelmente mais jovens, inexperientes e 'bonitos'.

Entretanto, a noção do povo de israel fica mais evidente comparando-se a Ló Tassê  nº 350 com as demais leis em relação ao sexo como um todo e observa-se de forma ainda mais clara, que é o veto é apenas aos atos CARNAIS!.

Para quem não sabe a diferença entre homoafetivo e homossexual, talvez espiritualmente possa parecer tudo igual. Mas, se você acompanha o Blog provavelmente essa diferença básica entre intimidade g0y (g-zero-y) e sexualidade gay já deva estar bem resolvida.


Liberte-se.

-----------------------


OBS:  (1) É bom também frisar que há uma questão na Mitzvot proibitiva de número 353, que alguns já tentam traduzir como proibição para a homoafetividade, em alguns sites sobre o tema já é possível encontrar:

  "353. Não se aproximar a todas estas proibições de cunho sexual por qualquer uma das coisas que são a origem delas, mesmo quando sabe que não causarão tal transgressão, por exemplo: abraço, beijo, sinal afetuoso, etc – ‘…a todo o próximo à sua carne, não se aproximará…’ – Lv 18:6. "


 Alguns sites judaicos a exemplo de http://www.judaismo-iberico.org/mtp/prefacio/p201.htm dão essa interpretaçã e ainda acrescentam: "sabemos que isto é uma advertência para que não nos aproximemos a tudo que é perto desta lista de relações proibidas". Nessa versão nota-se que a homoafetividade não seria uma transgressão, mas seria uma 'incitação', ou seja, por precaução é sugerido evitar, algo tipo brincar com fogo...
  No entanto é praticamente unânime que a expressão em hebraico  "אֶל-כָּל-שְׁאֵר בְּשָׂרוֹ, לֹא  não indica a todo próximo de forma mais ampla (קרוב), mas sim indica parenta, tanto que em todas as versões consultadas tanto da Torá, quanto da Bíblia (caso tenha uma na sua casa, leia) encontra-se textualmente em Levíticos (18:6): "Nenhum homem se chegará a qualquer parenta da sua carne". 
 E nesse caso o 'não ter intimidades sexuais com parentas' não teria um sentido de mera 'advertência', mas um sentido discricionário para o comportamento, tais como todas as demais Mitzvot por e em coerência.

    (2) Os antigos judeus não eram contra o carinho entre homens, no entanto perseguiam homossexuais, como dito ao longo do texto e na primeira observação acima. e herdamos essa cultura nos primórdios cristãos e com a expansão do cristianismo, continuaram outras perseguições à práticas homossexuais. Quando o cristianismo católico se oficializou no Império Romano com  Constantino, historiadores escrevem que o homossexualismo (na verdade o bissexualismo romano, da época) já era uma ameaça institucional e uma das razões dessas perseguições antigas seria o da condição de sobrevivência e expansão das civilizações por meio da defesa da procriação através da família.  Apenas para complementar...  Nesse sentido, não sei se notaram , mas a lei judaica Lô tassé  de nº 360 deixa claro que um casamento sem filhos e o homossexualismo "seriam similares" e tão graves quanto.

     (3) Sobre o Bromance citado, veja nesse link - quesito de número 07, sobre o Rei David e Jônatas.

6 comentários:

  1. Como Judeu, cumpro todos os 613 mitzvah, moro em São Paulo e graças a D'us aqui temos uma pequena comunidade onde preservarmos os nossos costumes. Certamente esse texto não foi escrito por um judeu, mas tem-se que reconhecer que ele é profundo e preciso. Até correto além da conta para um goy (eu já li o que é um heterogoy, e entendi só que refiro-me ao sentido original do termo goy, sem o zero; i.e. um não judeu e não cumpridor integral das leis).
    Mostrei esse texto, para meu pai e até mesmo a meu avô, eles não discordaram do conteúdo e acrescentaram que realmente essa interpretação da Ló Tassê 353 é estupida, e no google vi que existe vários "judeus" usando a tradução de parenta - para todo próximo da sua carne. O que parece ser igual, mas não é. A todo próximo, pode levar a entender que é proibido aproximar-se de outro homem. Só que a Mitzvot, não adverte, ela veta. O veto é claro, e a nossa tradição oral sabe disso, não pode ter relações carnais com nenhum homem, e nenhum tipo de intimidade nem leve (nudez), nem erótica, nem sexual com o pai e os tios. E esse veto à todo e qualquer tipo de intimidade tem a sua extensão a todas as parentas (irmãs, tias, sobrinhas, primas, etc.).
    A lei foi muito bem colocada nesse site, um homem pode aproximar-se intimamente de outro homem, isso não é abominação, desde que "não se deite com ele, como se ele fosse mulher" e isso também pelo que eu saíba está na Bíblia considerada sagrada por vocês, em Levíticos 18 em seu verso 22.

    Só que muitos parecem que não levam a sério a palavra.

    ResponderExcluir
  2. Caramba, aboliram isso é! Pois eu li e concordo com tudo, me pareceu super coerente, e concordo com tudo. De verdade, esse negócio de casamento entre primos e primas, sou totalmente contra, não acho uma coisa legal.
    Fiquei pasmo, pois nunca tinha ouvido falar de tais leis e me deu a impressão de que o que nós concebemos por decência, e essa noção de decência vigora até hoje!! Ou não? Eu cumpro essas leis, e olha que cumpro mesmo sem saber que elas existiam ou que existiram um dia no passado.

    ResponderExcluir
  3. Sou Samaritano e não temos uma grande comunidade aqui no Brasil, mas é provável que vocês já tenham ouvido falar alguma coisa sobre nós, nem que seja da famosa parábola do bom Samaritano, proferida pelo próprio Jesus de Nazaré. Também moro em São Paulo, nós somos descendentes de uma das 12 tribos após a diáspora, obviamente devíamos ser considerados judeus mas somos considerados goys, justamente por que nós não cumprimos essas famigeradas leis de Moisés.

    Na verdade nessa postagem daqui, com só um recorte em cima das leis direcionadas ao sexo, ficou mesmo muito bacana e essa parte da lei nós cumprimos, agora a grande dúvida é como que de 10 mandamentos guardados na arca da aliança, de repente em algum momento da história se transformaram em 613 mandamentos!!! Cristo! E os judeus ainda acreditam piamente, que isso tem origem divina!! Como?

    Aqui no Brasil noto que pouco se sabe sobre o verdadeiro motivo dessa divisão das tribos judaicas. Os católicos que converso mal sabem o que é um Samaritano... os evangélicos parecem que sabem até memorizando a história, mas tenho a impressão que a versão é contada de uma forma romântica ou poética. Mas Por que ocorreu essa briga e divisão. O motivo da briga e divisão foi justamente a lei gigantesca e de origem duvidosa. A nossa “Bíblia” é composta somente pelo Pentateuco, definitivamente original, os demais livros ficam parecendo acréscimos, que foram feitos ao longo dos tempos.

    O maior erro dos Judeus é desconsiderar a palavra, esperaram pelo Salvador e fizeram isso por mais de 1.700 anos a.c , mas já estava escrito em Gênesis (12:2), o futuro não viria apenas para ‘salvar os Judeus’, haveria a formação de uma goy gadol (grande nação goy) e amigos Cristo veio para cumprir a promessa e veio para todos que querem segui-lo. E sempre me emociono em saber que havia uma grande aproximação e amizade entre Jesus e os Samaritanos que eram altamente discriminados e rechaçados pelos ditos Judeus oficiais guardiões do Templo de Salomão, isso já criava um dilema, como que o Salvador poderia se aproximar tanto de um povo que não cumpre as leis na sua plenitude, mas apenas as constantes do Pentateuco? A resposta é simples, Cristo veio para todos e todas, que querem segui-lo.

    Os Judeus deviam eram parar de se lamentar tanto no muro que restou do grande templo, e se lamentar, por terem a favor da manutenção dessas normas ter colocado Jesus em uma Cruz, protagonizando um dos piores e horripilantes episódios já registrados pela humanidade. Não há motivos para duvidar que o homem de Nazaré, foi o enviado! Mas os Judeus mantém essa esperança que o Salvador ainda virá, quando na verdade ele já veio. Poucos Samaritanos ainda acompanham essa visão, mas na nossa tradição oral, pelo menos a que acompanhou as gerações da minha família vinda para o Brasil, há diversos relatos de visitas do Jesus ressuscitado à cidade de Samaria, e sempre foi muito bem recebido pelo nosso povo.

    O negócio é que Roberto, li seu comentário, e sabe porque essas leis, tem esse “cheiro de decência”? Porque elas são a mais pura decência, são coisas que derivam de uma sabedoria superior. São de origem mosaica sim, mas certamente o conteúdo não é da sua cabeça, mas de algo que o iluminou, após o cumprimento dessas normas pelo povo judeu que antes as desconhecia, a família tornou-se mais forte e estruturada e reduziu-se diversas anomalias e o nascimento de pessoas deficientes. Coisa que a ciência só veio explicar quase 3.000 anos depois destas normas terem sido criadas, que seria o problema do casamento consanguíneo.
    Mas enfim amigo, diante do seu espanto, convido você a ler o Livro de Levítico Capítulo 18, se quiser resumir pode ser a partir do verso de número seis em diante, ou lê-lo inteiro.

    Acho que seu espanto vai aumentar, pois verá que essas questões no que diz respeito ao sexo, estão lá, por isso nós a cumprimos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito bom seu comentário. Pelo que entendi, da mesma forma que hoje Católicos e Evangélicos "brigam" por causa de 7 livros da Bíblia (que na minha opinião, por serem do Antigo Testamento, não deveriam causar tanto furor...), Para vocês o Pentateuco - apenas os cinco primeiros livros da Bíblia, seria a alma da escritura sagrada, o que motivou a separação.

      Fiquei com dúvidas. Vocês da família, seriam Samaritanos convertidos ao Cristianismo?
      Você seria um g0y homoafetivo com zero, e não um goy como gentio como citou?

      Excluir
    2. Grande Master é um prazer te responder isso, sou samaritano por conservar os costumes e tradições do nosso povo, seríamos cristãos sim, pois reconhecemos a grandiosidade da obra do senhor, a diferença que os nossos evangelhos não se restringem aos quatro evangelhos bíblicos, inclui todo e qualquer escrito e também principalmente nossa tradição oral, acerca da vida de Jesus e seu grande exemplo. O que hoje chamam de Cristianismo, se distancia tanto dos ensinamentos de Jesus, que se por ordem do criador o seu filho retornasse, certamente seria excomungado pela Igreja Católica Romana e seria considerado rebelde e seria disciplinado pelos evangélicos.
      Fico triste, pois vejo muitas denominações que se dizem protestantes, em relação a ideologia Romana, mas que ao invés de avançar no sentido do amor e da liberdade, resgatam tantas normativas e parecem ser mais judeus que cristãos.

      Era g0y, como acho que todos os adolescentes o são. Não sei como em um momento da vida que não lembro quando e nem como, tornei-me um hétero não flexível, além de não copular com homem também não fazia mais nada. Acho que é exatamente isso que aconteceu na história da humanidade, todo mundo era g0y, e daí, era o padrão de hétero e correto aceito por todos, só que em algum momento o isso mudou e hoje a gente fica perdido, sem saber porque isso aconteceu e em que momento aconteceu, e é uma pena, pois a relação de amizade normal e de amizade íntima é extremamente saudável, quando entre dois homens conscientes.

      Para finalizar, sobre o homoafetivo com intimidades não anal, vi exatamente agora que na versão da www.bibliaonline.com.br/ lida por vocês, notei que lá está escrita em outras palavras que na Torá que possuo, mas o sentido é o mesmo. Na minha versão do Pentateuco está escrito a sua vergonha não descobrirás, e nesse link está “a sua nudez” não descobrirás e não há veto para “descobrir as vergonhas de outro homem”, o verso 22 diz respeito a cópula. Não há abominação na nudez íntima de um homem perante ao outro - e é o que pelo que entendi é o que nós chamamos de relação g0y (g-zero-y). É espantoso que vendo o capítulo 18 de Levítico inteiro, nota-se claramente a proibição a quaisquer intimidades com mulheres e a proibição tem uma construção da frase que o tempo inteiro se repete ao longo do capítulo 18, só a construção muda no verso 22. Com certeza, isso tem um significado. Entre homens não é qualquer tipo de contato ou de intimidade, mas uma em especial, que não é de agrado aos olhos do senhor.

      Excluir
  4. Estou chocado. Sou pastor evangélico da Igreja Quadrangular e na verdade me sentindo nesse momento sem chão. Cheguei até aqui, pois três membros da minha congregação me provocaram a ler, me impressionei pela profundidade das discussões, cheguei a chorar como homem fragilizado, quanto erro eu cometia. Perseguia homoafetivos, abençoava casamento entre primos de 1º grau e achava normal casais que ficam décadas juntos e não querem ter filhos. Um casal é para a base da construção da família, e agora vejo que um casal sem filhos vive junto para quê? Para fugir da solidão? Só afim de cumprir uma norma social e um ideal de casal que nós criamos! Pesquisando, tem apenas a missão de cumprir a visão do casamento como sacramento, é como se um homem não pudesse viver sem uma mulher. Pode sim!!! O divórcio que é tido como um super avanço feminista do século XX, já existia entre os judeus e isso é impressionante a 3mil, 3,5mil anos atrás!! Os judeus, retos e ortodoxos, ao extremo, lidavam bem com essas questões: amor, sexo, homoafetividade, estupro, divórcio e ménage. Coisa que eu homem cristão do século XXI, assumo não sei lidar muito bem.

    Como não sou homoafetivo, meus olhos naturalmente se direcionavam para as questões do mundo heterossexual, sim praticamente todas essas leis estão expostas em Levíticos capítulo 18. E por isso não me interessa se fazem parte da Mitzvot, me interessa que fazem parte da Bíblia. E vejamos! Lei proibitiva nº 345 Não "Ter relações com uma mulher junto com a sua irmã", ela deriva de Levítico 18:18,e me chocou profundamente, então o ménage tá liberado?? Desde que seja acordado entre as partes e não seja com a sua cunhada?? Pelo jeito vou ter que aprender hebraico, para poder ler a Bíblia no seu original pois essas questões são intrigantes demais! Na minha ignorância, como sei só português, tive que me virar e encontrei:

    http://www.bibliaon.com/ Lev 18:18 "Não tome por mulher a irmã da sua mulher, tornando-a rival, envolvendo-se sexualmente com ela, estando a sua mulher ainda viva" Aqui dá a impressão de casar-se com a cunhada após divorciar-se da sua antiga esposa. Não seria isso?
    Em uma versão impressa. Lev 18:18 "Não tomarás uma mulher juntamente com sua irmã, criando rivalidade, descobrindo a sua nudez em sua vida." Aqui dá a impressão, que a lei é ampla e não só à esposa, até mesmo um rapaz em uma balada não poderia pegar duas irmãs, levando as duas a um motel, gerando assim a contenta. Não seria isso?
    http://biblia.gospelmais.com.br/ Lev 18:18 "E não tomarás uma mulher juntamente com sua irmã, para fazê-la sua rival, descobrindo a sua nudez diante dela em sua vida." Aqui dá a impressão do ménage feminino FMF. Não seria isso?

    E o tal do ménage masculino? Lei 347 Não "Ter relações com a mulher de outro homem sem consentimento" êpa! êpa! êpa! Que história é essa! E isso não é adultério? Em Lev 18:20 "Nem te deitarás com a mulher de teu próximo para cópula, para te contaminares com ela." Nesse caso todas traduções convergiram, e o texto em português é o mesmo. Contaminares com ela, fiquei com essa frase martelando a minha cabeça. Qual o significado disso? Naquela época, um homem poderia deitar-se com um casal, havendo consentimento do marido, não haveria contaminação? Estou zonzo, é muita informação em pouco tempo, tenho que estudar mais o assunto, e principalmente pedir a iluminação do Espírito Santo de Deus, para que não fique levando a cabo interpretações equivocadas e precipitadas com base nos meus próprios desejos carnais de homem.

    Parabéns! Pela profundidade do texto e das discussões. Me emocionei demais com o depoimento do Samaritano aprendi muito e como Evangélico tenho que reconhecer, que muitos pastores, pregam demais em cima do Antigo Testamento, e prometo a partir de agora buscar mudar minha postura; a boa nova encontra-se nas palavras de Cristo Jesus.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Publicidade